Curta no FACEBOOK

terça-feira, 23 de junho de 2015

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Venho por intermédio desta nota, manifestar publicamente a minha versão acerca do fato ocorrido na ultima semana envolvendo o asfaltamento da Avenida Helvécio Pereira de Santana.

Na terça-feira dia 17 do corrente mês fui informado de que o asfaltamento que está sendo realizado na Avenida Helvécio P. de Santana estava com uma espessura no trecho que vai das proximidades do bar de Fabinho à Escola Castro Alves, e que a partir deste ponto foi reduzida a espessura do asfalto, colocando assim uma camada mais fina que o trecho anteriormente mencionado.

A partir desta denuncia resolvi ir até o local da obra para verificar se era procedente, e lá chegando conversei informalmente com o encarregado da obra e o mesmo me confirmou que a espessura tinha mesmo sido reduzida seguindo ordens do Secretario de Administração que também é filho do gestor deste município.

No entanto, quando eu estava fazendo alguns registros dos fatos mencionados fui abordado por correligionários do prefeito, dentre eles o Sr. Estive que me questionou se eu era engenheiro, a quem expliquei que apesar de não ser engenheiro, eu sou fiscal do dinheiro público deste município escolhido pelo povo e que por isso tinha o direito e a obrigação de fiscalizar e coibir qualquer tipo de irregularidade com o recurso público.

No dia seguinte fui surpreendido com boatos que circulavam pela cidade de que eu teria EMBARGADO A OBRA, e que a obra teria sido interrompida por mim. Calunia sem nenhum fundamento, até porque não tenho esse poder e muito essa intenção de inviabilizar uma obra que beneficia a nossa população, o que provavelmente aconteceu é que a obra foi interrompida por falta de pagamento e usaram o fato que relatei anteriormente como muleta para justificar a interrupção da obra e tentar denegrir a minha imagem perante a população invertendo a realidade dos fatos.

 Informo que tenho ido ao povo, prestado contas das minhas ações. Tenho trabalhado as claras, aceitando as críticas, sugestões, e as cobranças. Tenho trabalhado ao máximo para consertar as falhas.   Volto a afirmar: "Sou um legitimo representante do povo e é para esse povo que eu devo explicações e ações".

 E mais; "Ser amigo de verdade, não nos impede de mostrar ao seu amigo, seus erros e suas falhas. Amigos de verdade fala a verdade". E por isso faço ciência de que em minha vida tenho três pontos que servem de alicerce nessa minha caminhada, são elas:
 * Temor á Deus, pois sem Ele não somos nada;
 * Minha Família, pois a minha base familiar, é que tem me dado forças pra caminhar no rumo certo;
 * E por fim o meu compromisso com o povo da minha cidade.


sexta-feira, 5 de junho de 2015

Professor Zé Mário: Carta ao professor Landisvalth

Heliópolis, 4 de junho de 2015.
Professor Landisvalth,

Pela comunicação ora encaminhada, quero apresentar ao prezado colega e, por conseguinte, aos leitores do seu visitado blog, alguns esclarecimentos acerca de fatos narrados em matéria de sua autoria intitulada Goteiras da política heliopolitana, de 2 de junho de 2015.

PROFESSOR ZÉ MÁRIO
A começar pelo título, sua competente redação dá conta de que a professora Daniela teria promovido uma denúncia contra o alcaide que atualmente administra o dinheiro público que deveria estar colocando as escolas municipais em melhores condições de uso. Sem querer “fazer média” com o prefeito Ildinho, quero que todos saibam que o mérito da denúncia não é da professora Daniela, minha esposa. O flagrante desrespeito aos alunos e ao contribuinte foi gravado, dada a facilidade com que se registra tudo hoje em dia, através das inúmeras câmeras dos celulares à mão de todos.  No caso em comento, a divulgação do vídeo exibido no Bocão News, que mostra o absurdo vivido pelos alunos da Escola Waldir, não foi feita pela professora de oposição – como a denominou, de modo pejorativo e antidemocrático, o professor Quelton – que estava presente na sala “reformada” na ocasião da chuva. Tal gravação foi encaminhada por aluno da escola ao vereador Giomar Evangelista, Presidente da Câmara, que, legitimamente, protestou dando publicidade ao lamentável ocorrido. A professora Daniela estava em uma das salas com goteiras e teve participação no episódio, mas não para induzir alunos à produção de material para uso político-partidário, como a acusa equivocadamente o Secretário de Educação. Tenha certeza, professor, de que além da professora e dos alunos, muito mais gente se indignou com o ocorrido, inclusive as servidoras da limpeza, que não conseguem visualizar melhorias na sua escola, mesmo após sucessivas reformas. 

O professor Quelton acredita que talvez um gato tenha provocado as frestas que permitiram as goteiras. Acho que o Secretário de Educação não está de todo errado, haja vista que há no Brasil, em abundância, gatos de uma raça, que adora mexer no que é dos outros, conhecida como GATUNO. Essa raça maldita de gatos chegou ao Brasil nas caravelas pelos idos de 1500.

A reforma, ou melhor, a pintura do Waldir Pires custou aos cofres da prefeitura de Heliópolis R$ 75.845,44, pagos em abril de 2015 com recursos do Fundeb.  O valor deve subir para os R$ 85.651,67 previstos na licitação, quando abrirem o letreiro com o nome da escola, até o momento não colocado.

Prezado Professor, confesso que estou com medo de que os gatos passem nas outras escolas reformadas e provoquem mais “frestas”. Vejamos alguns números:
Escolas reformadas em 2015
Item
Escola
Localidade
Valor licitado
Valor pago
1
Escola Waldir Pires
Sede
 R$            85.651,67
 R$      75.845,44
2
Escola Castro Alves
Sede
 R$            53.109,01
 R$      34.078,71
3
Escola Getúlio Vargas
Povoado Cajazeiras
 R$            43.034,71
 R$      30.780,07
4
Escola Pedro Elesbão Rodrigues
Povoado João Grande
 R$            41.425,14
 R$      29.374,73
5
Rui Barbosa
Sede
 R$            30.816,33
 R$      20.327,75
6
Galdino Barbosa
Sede
 R$            38.162,40
 R$      22.164,26
7
Creche Luzia de Souza Bastos
Sede
 R$            29.915,90
 R$      15.990,13
8
Escola Jorge Amado (antigo prédio)
Povoado Riacho
 R$            31.852,42
 R$                     -  

Total:

 R$          353.967,58
 R$    228.561,09

Até abril já foram pagos mais de 228 mil reais com as “reformas” de 2015. Somados com mais 288 mil das reformas de 2014, são R$ 516.000,00. O governo de Ildinho e Quelton já gastou mais de meio milhão de reais com reforma de escolas em apenas dois anos. E as escolas como estão? Professores, funcionários, alunos, todos sabem a resposta. Para uma comparação, em 2012, as reformas custaram R$ 141.000,00. As pinturas do governo de Ildinho custam mais do dobro. Deve ser a inflação!

Proponho um desafio e uma solução ao prefeito Ildinho: tire a gestão dos recursos destinados às reformas de escolas de quem os gerencia hoje, e passe a dinheirama para os caixas das escolas. Deixe os diretores executarem as reformas, depois visite as escolas e compare. Se os R$ 57.983,80 pagos na reforma da escola do Tijuco em 2014 tivessem sido gerenciados pelo diretor que lá estava, acredito que a estrutura da escola seria outra. Da mesma forma teria sido nas escolas do Riacho (R$ 45.703,77) e Serra dos Correias (R$ 44.034,12). Até o “carrego” do diretor do Waldir Pires teria feito milagre, ou seja, aplicado cada centavo, fazendo o dinheiro render, se tivesse administrado os R$ 75.845,44 deste ano. Professor Landisvalth, os diretores fazem milagre com os recursos de seus caixas. Não fosse isso, não tínhamos uma TV, um aparelho de som, uma caixa amplificada, um datashow, um metro de cerâmica colocado em nenhuma escola municipal. As transformações físicas das nossas escolas foram feitas pelos diretores, com os escassos recursos do Programa Dinheiro Direto na Escola – PDDE. Se os R$ 500.000,00 “torrados” entre 2014 e 2015 tivessem sido gerenciados pelos diretores, professores, funcionários, pais de alunos, as escolas teriam outra cara; não teriam goteiras!

Professor, oriente o novo alcaide a repassar para os diretores os próximos R$ 300.000,00 a serem gastos com as reformas de 2016. Depois vão às escolas.

Prezado professor, reitero que a professora Daniela não fez denúncia, não conhecia o Bocão News, mas ficou indignada, com direito, com o que presenciou. Quanto a mim, nunca fiz denúncia contra o atual governo e não faria para promoção pessoal. Também não estou competindo com o meu amigo vereador Giomar. Quanto à minha atuação na gestão passada, acho que fiz um bom trabalho junto ao ex-prefeito e à sua competente equipe. Não fui omisso, enfrentei fortes bataia ai, ai, ai (como as que sua esposa deve estar enfrentando hoje à frente da difícil Secretaria de Saúde). Em relação ao convite respeitoso feito pelo atual prefeito para assessorá-lo, tenho até hoje respeito pela corajosa iniciativa. Não pude aceitar o convite por questões já esclarecidas. Se tivesse aceitado, estaria hoje alegre pelas obras realizadas com recursos estaduais e/ou federais, e angustiado com o tratamento dado pelo prefeito aos recursos próprios. Triste, também, com o episódio lamentável ocorrido com a pobre cidadã do quiosque de Cajazeiras. Quanto ao tratamento do governo para comigo, lhe digo que tenho tomado umas pancadas!!! Normal, como diria Valteno. Depois lhe conto.

Sem dúvida, goteiras continuam existindo na política de Heliópolis. Mas vamos combatê-las, nos respeitando, evitando mal-entendidos.  

Agradeço a atenção do professor, pedindo-lhe desculpas por eventuais “erros de português” cometidos no presente texto. Escrever para um professor com a sua competência linguística não é nada fácil, convenhamos.

Atenciosamente,

Professor Zé Mário 

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Após denúncia Vereador Giomar visita Escola Waldir Pires

Esta semana o site de notícias BOCÃO NEWS (conhecido portal de notícias baiano, muito acessado em todo o estado) deu destaque a Heliópolis por conta de uma denúncia que partiu de estudantes da Escola Municipal Gov. Waldir Pires através de um vídeo em que mostrava uma sala de aula na qual os alunos tinham que se proteger com guarda-chuva devido às péssimas condições do telhado que gerava uma série de goteiras dentro sala.
video
Ao receber a denúncia verificou-se também que a referida escola teria passado por recente reforma que segundo a prestação de contas do município teria sido orçada em R$ 75.000,00. A partir desta constatação o Vereador Mendonça (líder da Oposição) fez um requerimento oral fundamentado na lei de acesso à informação solicitando ao Prefeito cópia integral de todos os documentos referentes aos processos licitatórios inerentes às reformas de escolas nos exercícios de 2014  e 2015 além dos processos de pagamentos dos serviços realizados nos respectivos exercícios.
Requerimento encaminhado ao Prefeito
Após a repercussão da denúncia o Secretario de Educação Prof. Kelton Almeida entrou em contato com o site de notícias e disse que "Ali foi um problema pontual, foi corrigido logo que aconteceu. Pode ter algum animal como gato que afastou as telhas. Mas já foi resolvido", e insinuou que a denúncia teria sido fruto de intriga da oposição feita pela professora que estava na sala de aula na hora em que o vídeo foi gravado, "Eu até entendo que seja natural que tenham cobranças. Mas, sem querer julgar ninguém, aquela professora que aparece no vídeo é da oposição. Não sei o que motivou ela e os alunos a fazerem isso", afirmou o Secretário.

Na manhã desta quarta-feira (03) fui até a escola para verificar as reais condições da mesma e conversar pessoalmente com funcionários, professores, alunos e membros da direção. E o que constatei nesta visita foi que ao contrário do que disse o secretário não se trata de um problema pontual, uma vez que ao chegar na escola pude identificar uma série de outros problemas estruturais tais como: rampas de acessibilidade com as borrachas completamente desgastadas que segundo relatos dos alunos provocam constantes quedas e escorregões, o telhado apresenta problemas também não parecendo ter sido arrumado como dito pelo secretário, identifiquei vários ventiladores quebrados, torneiras muito velhas, nos banheiros descargas quebradas e na fachada frontal sequer foi realizada a pintura de identificação da escola.

Lâmpada do banheiro em péssimas condições

fachada sem o nome da escola

rampa de acessibilidade completamente lisa
Torneiras muito velhas


Desta forma pairam dúvidas acerca da utilização correta do dinheiro público, visto que uma escola que teria sido reformada no mês de março, apresenta problemas estruturais como os que mencionei aqui. O que fica claro é que não se trata de mera intriga da oposição como dizem os defensores da gestão, tampouco é um problema pontual como afirmou o Secretário de educação e muito menos uma mera goteira da política de Heliópolis.